Reprodução assistida: como funciona a inseminação artificial



Há algumas semanas, falamos aqui no blog sobre infertilidade, ou seja, a dificuldade de reprodução. A infertilidade atinge aproximadamente 15% dos casais e pode ser causada por diversos motivos: problemas no organismo feminino, masculino ou uma associação de ambos. Mas você sabia que existem técnicas de reprodução assistida que podem auxiliar aqueles casais que desejam ter filhos? A inseminação artificial é uma delas.

A técnica, considerada de baixa complexidade, consiste na inserção do sêmen dentro da cavidade uterina. É indicada para pacientes que apresentam dificuldades em uma gravidez natural, seja por defeitos endocervicais (na parte interna do colo do útero), muco cervical hostil (espesso, pegajoso ou ácido demais para os espermatozoides), distúrbio discreto do sêmen e infertilidade sem causas aparentes ou outras particularidades que impeçam a fecundação.

Para realizar a inseminação artificial, a mulher deve ter pelo menos uma tuba uterina normal, pois como a fertilização no óvulo ocorre no interior da tuba, ela deve permitir o encontro do espermatozoide com o óvulo. Para mulheres com laqueadura tubária, o tratamento indicado é