Alergias e intolerância alimentar na infância



Muitas vezes, fazer uma criança se alimentar não é uma tarefa fácil. E quando ela apresenta algum tipo de alergia ou intolerâncias alimentar, pode ficar ainda mais difícil. As alergias e intolerâncias afetam cerca de 6% das crianças e podem causar diarreia, vômito, lesões na pele, irritabilidade e outros incômodos. Mas como identificar, cuidar e lidar com os diferentes tipos de intolerâncias e alergias alimentares na infância?

O primeiro passo é entender a diferença entre alergia e intolerância. A alergia é uma doença do sistema imunológico, que reage a determinado alimento e produz anticorpos para se proteger. Ocorre independente da quantidade a ser ingerida: se a criança tem alergia a morangos, não importa se vai comer um ou dez, de toda forma a reação alérgica irá acontecer. Já na intolerância alimentar é causada pela incapacidade do organismo de metabolizar determinada substância e depende da dose, por exemplo: a criança pode tolerar bem uma pequena quantidade de leite, mas passar mal com uma quantidade maior.

Mas quais alimentos podem causar alergia ou intolerância alimentar na infância?

- Glúten: a intolerância ao glúten, ou doença celíaca, normalmente se manifesta entre 1 e 3 anos de idade. Na doença celíaca, o organismo ataca a si mesmo, especificamente no intestino delgado, dificultando a absorção de nutrientes e sais minerais. Pães, bolos, biscoitos e macarrão estão na lista de alimentos que não devem ser ingeridos por quem tem alergia ou intolerância ao glúten. Como opção, ele pode ser substituído por fécula de batata, amido de milho, fubá ou farinha de mandioca.

- Lactose: quando a criança produz pouca lactase, responsável por digerir a lactose no organismo, ela desenvolve a intolerância a produtos lácteos, como queijo, leite e outros alimentos à base de lactose. Mas se o problema for uma reação à proteína do leite, trata-de de uma alergia. Como até os seis meses o bebê se alimenta apenas de leite materno, o problema começa a surgir com a introdução do leite de vaca. O problema pode ser tratado com o controle do consumo de leite e derivados e também através da ingestão da lactase, que pode ser por comprimido ou gotas.

- Soja, ovo, frutos do mar e frutas cítricas: são os alimentos com maior incidência de alergia infantil. É comum que a reação alérgica seja oral e cause irritação, coceiras ou inchaço labial. Não existe outra alternativa que tirar o alimento da criança. Se ela continuar tendo acesso a ele, o quadro de alergia pode agravar e causar até mesmo um choque anafilático. Por isso, especialistas recomendam que os pais e a família evitem oferecer esse tipo de alimentos para a criança antes do primeiro ano de idade. Felizmente, a grande maioria das crianças com alergia alimentar torna-se tolerante com o crescimento, podendo voltar a ingerir o alimento. Mas tudo deve ser feito com acompanhamento especializado, para a orientação da melhor época para a tentativa de reintrodução do alimento.

Fique de olho no blog, pois nós da Munchkin queremos estar sempre presentes nos momentos que fazem a relação entre os pais e o bebê ser cada vez mais intensa. Para a Munchkin, detalhes fazem diferença.

Fontes: GNT | Doutissima

#intoleranciaalimentar #alergiaalimentar #habitos #alimentação

58 visualizações

© 2020 Munchkin - Sylink Baby Products. Importadora e distribuidora dos produtos Munchkin no Brasil.